/cc/ - Copi Cola

Ctrl-C, Ctrl V
Name
Email
Subject
Comment
File
Password (For file deletion.)

File: 1534648185984.jpg (132.45 KB, 768x1280, IMG-20161113-WA0015.jpg)

 No.17

O paralelo que fez entre Lourenço lobisomem e um espírito obsidiador, apesar de criativo, seria de difícil sustentação, visto que a lenda foca a maldição que caíra sobre a família, ocasionando a metamorfose do assassinado em besta-fera. Se o criador da história pretendesse falar de espírito, teria apresentado Lourenço como alma-penada, não lobisomem.

Curiosa a idéia de auto-obsessão, oriunda da culpa. Normalmente isso é chamado de remorso e mantém o sentimento no campo terrenal… o que me parece mais adequado.

Por fim, ainda que não tenha falado das “sete” mortes de Serafim, informo que é possível, literariamente, falecer sete vezes, considere a narrativa a seguir.


“Joaquim foi um vivente que morreu sete vezes em vida. De início vivia feliz, com os seis filhos (cinco homens e Maria, a menina mais bonita que o mundo produziu); nos seis alqueires de terra, onde trabalhavam diariamente. Tudo o que Joaquim e Serafina, sua mulher, desejavam era criar filhos decentes e honestos. E as crianças pareciam seguir a boa trilha, parecia que ninguém perderia o rumo.

Um dia, um dos filhos veio correndo da roça, gritando pelo pai.

- Pai, vem logo, é a mãe…

 No.18

Homens maus haviam invadido o sítio e surpreendido Serafina sozinha. Foram sete, abusaram da mulher o quanto puderam. Para que ela não gritasse entucharam-lhe um pano na boca, com o qual morreu sufocada.

Joaquim morreu também naquele dia, foi esta sua primeira morte.

Passado um tempo, o filho mais velho decidiu partir para vingar a afronta feita contra a genitora. E nunca mais voltou.

Joaquim morreu mais uma vez.

Três meses adiante, o outro filho se foi em busca do irmão. Também não voltou.

O filho seguinte, deu de beber. Bebia de manhã à noite. Nada o fazia largar a maldita. Não durou um ano, partiu afogado em álcool.

Nova morte para o pobre Joaquim.

O próximo filho tornou-se brigão. Arrumava encrenca com Deus e o mundo. Certa feita, em meio a uma pancadaria que ele próprio aprontara, se viu cercado por dezena de desafetos, armados com paus e pedras. Desesperado, sacou a faca e saiu distribuindo golpes a êsmo. Sentiu que atingira alguém. Quando olhou era o irmão que viera tentar defendê-lo. Correu para casa e contou ao pai o que fizera.

Joaquim olhou para o filho, tristemente e disse:

- Não foi só seu irmão quem você matou hoje…

 No.19


Aquelas palavras doeram tanto no coração do moço que nesse mesmo dia ele desapareceu.

Sobrou a filha querida. As últimas energias de Joaquim eram reservadas para a criação da menina. Ele seria o consolo de sua sofrida velhice.

Certa ocasião, apareceu na cidadezinha um filhinho de papai rico. Próspero fazendeiro fazia todas as vontades do filho, cujas atividades eram passear em sua possante moto, fumar maconha o dia inteiro e à noite cheirar cocaína.

Ninguém sabe explicar como ou porque, Maria apaixonou-se perdidamente pelo garotão. A tal ponto que nem ameaças, nem rogos a fizeram abrir os olhos. O malandro fez com a menina o que bem queria, a tudo ela aceitava como se estivesse sob o jugo de feitiçaria. Até que um dia ele encheu o saco e mandou a garota sair de seu caminho. Desesperada, Maria não quis, recebeu a maior surra de sua vida.

Quebrada no corpo e na alma, foi para casa do pai, que a recebeu prestimoso. A filha pródiga voltara, no coração do velho acendeu uma chama de consolo.

Porém, Maria estava irremediavelmente mudada. Passou a se entregar a qualquer homem que aparecesse. Não poupava ninguém: solteiro, casado, velho, criança. Alguns diziam tê-la visto transando com animais…

Não demorou muito, esposa ciumenta flagrou Maria e o marido fazendo saliências. Uma paulada mortal pôs fiz a triste vida da menina mais bonita do mundo.

Naquele dia, pessoas viram Joaquim caminhando feito zumbi, carregando uma garrucha. Preocupadas que fosse matar a mulher e o marido, tentaram intervir. Joaquim não deixou ninguém se aproximar, disse que iria dar um fim a todo aquele sofrimento e acabar com a própria vida.

Procuraram demovê-lo, mas o homem estava decidido:

 No.20

- Morri sete vezes nesta vida, só vou mesmo dar o fecho final.

Subitamente, um anjo desce dos céus, pega o velho pela mão e diz:

- Venha comigo, pobre homem. Já houve dor demais para uma só pessoa: vou levá-lo para o paraíso…

E a partir de então, Joaquim não mais foi visto…”



[Return][Go to top] [Catalog] [Post a Reply]
Delete Post [ ]